quinta-feira, 13 de abril de 2017

MULHERES IRRITADAS



EU ODEIO O BIG BROTHER BRASIL!!!

Não assisto, não sigo, não sei quem são os participantes e muito menos quais são as regras...mas inevitavelmente as polemicas forjadas chegam aos meus ouvidos através das redes sociais. E a ultima estupidez me irritou imensamente mais do que todas as outras. Não vou julgar o comportamento do pseudo casal, nem julgá-los individualmente (tenho minha própria opinião sobre as criaturas que aceitam expor suas vidas a esse nível para alcançar a fama). Mas vamos ao que interessa...
Toda a palhaçada começou com o "escândalo" da cena de sexo quando a garota fez um boquete no fulano e engoliu o sêmen...
E TODA A HIPOCRISIA DESSA SOCIEDADE ESCROTA VEIO A TONA!
Repleta de ofensas, julgamentos, rótulos, com a eterna noção de que o cara era o garanhão e a mulher a puta, a piranha, vagabunda e o diabo... QUE LIXO.
E a palhaçada foi concluída com o desfecho da agressão dele sobre ela, independente de ter sido agressão física, verbal ou psicológica.
E TODA A HIPOCRISIA DESSA SOCIEDADE MACHISTA VEIO A TONA MAIS UMA VEZ!
Com os absurdos argumentos de que ela teria merecido a agressão por ser uma puta, piranha, vagabunda e o diabo... QUE LIXO.
É muito reconfortante saber que todos os brasileiros transam apenas para procriar e na posição papai e mamãe... é reconfortante saber de que nenhum brasileiro possui desejos, taras, perversões, que nenhum brasileiro dá o cu, bate punheta, faz boquete, que todos são castos e puros. Que não existem sexshop vendendo vibradores, anel peniano, extensor peniano, plug anal, etc. Que não temos prostituição masculina, feminina e INFANTIL. Que nenhum adulto brasileiro jamais buscou sacanagens na internet. 
VAI A MERDA!
Homens e mulheres hipócritas, machistas, misóginos, patéticos, ridículos. 
Toda a luta feminista perde o sentido, toda a busca pela igualdade perde a razão nessa sociedade cínica, perdida numa moral medieval e medonha, onde homens e MULHERES ainda culpam a mulher pela violência sofrida, que ainda condenam o desejo sexual feminino, onde ainda se aprisiona a natureza humana numa redoma maniqueísta.


sábado, 8 de abril de 2017

MULHERES CANSADAS DE GUERRA



Existe um cansaço que está tomando conta de mim e pelas conversas, de outras mulheres também. Parece que os discursos se tornaram imperativos. Temos que tomar partido, ter opinião, sermos politicamente corretos e defendermos o feminismo a qualquer custo por sermos mulheres. Tá foda!
Perdemos o direito de sermos individuais e "termos nossas opiniões formadas sobre tudo".
Óbvio que quero respeito como indivíduo e não apenas como mulher. Se precisamos brigar ferrenhamente sobre os direitos femininos é muito claro que não temos direitos individuais protegidos. E num país machista como esse, onde ainda temos salários e direitos civis desiguais entre homens e mulheres, ver posicionamentos sobre o uso de absorventes ou não, depilar as axilas ou não, direito à arrotar ou não, é surreal. 
Como lido com o MEU corpo é problema MEU. Como lido com minha higiene pessoal tem relação com minha visão de saúde e bem estar e não com minha necessidade de igualdade de gênero. Quero respeito como pessoa. Usar a roupa que quiser sem ser questionada por isso... sair a hora que quiser sem ser acusada por isso... ocupar o cargo que conquistei por mérito e ser paga por isso... cuidar da minha casa e da minha família, gostar de cozinhar e não ser rotulada por isso...
Porque já não era suficiente sofrermos preconceito por parte dos homens, agora sofremos preconceitos por parte das feministas engajadas. Fala sério??
Quero direitos e não rótulos. 


quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

MULHERES ENCANTADAS



Quem não conhece essa imagem?
O final feliz de Cinderela, quando ela calça o sapatinho de cristal, deixa de ser a gata borralheira, casa-se com o príncipe e vive feliz para sempre. Antes disso as duas irmãs tentam desesperadamente calçar o bendito sapato sem obterem sucesso. Tudo por um final feliz (um marido).
Na vida real, quantas vezes forçamos a vida a se encaixar nos nossos sonhos, numa tentativa absurda de buscar a felicidade? Quantos de nós já não forçaram a barra de uma situação acreditando (ou querendo acreditar) que aquilo fizesse parte do nosso destino?
É duro admitir mas algumas coisas simplesmente não existem para serem nossas... Outras fazem parte do nosso destino apenas por um período, sejam amigos, namorados, trabalho, lugares, sensações, emoções.
Forçamos a barra por uma petulância humana em acreditar que sabemos o que é melhor pra nós, ainda que todas as situações indiquem o contrário. Queremos que aquilo de certo, mesmo que seja na marra. Não importa se for na base da mentira ou da dor.
Alguém já pensou o quanto deve ser difícil andar, dançar ou viver calçada com um sapato de cristal?
Ele é duro, não transpira, deve ser pesado... Porque um sapato de cristal? Porque não de flores, de nuvem, de luz? Pode parecer só um elemento lúdico da história inocente da menina sofrida que é abençoada com o sonho que se encaixa, mas o elemento escolhido me faz pensar.
Mesmo quando os sonhos se encaixam os problemas não cessam. Quando você encontra o trabalho dos seus sonhos, você ainda terá que lidar com um chefe, com horários, com responsabilidades maiores que você. Quando você encontra o amor da sua vida ainda terá que encaixar personalidades, desejos, objetivos de vida. Passar na faculdade desejada não diminui o peso do percurso até a profissão. E assim por diante.
No mundo real é nossa obrigação saber que as coisas não possuem um final feliz "para sempre". Um período sim, um momento sim, mas "para sempre" nunca.
Então o sapato não serve para ninguém.
As vezes ele vai causar bolhas dolorozíssimas. As vezes o inteligente será andar descalço, deixar as bolhas cicatrizarem, deixar os pés livres e simplesmente viver os sonhos que forem nos envolvendo naturalmente. Ser levado à um emprego melhor, à um lugar melhor, um amor saudável, sensações boas, tudo sem forçar.
A bendita frase: eu te avisei, fica muito pior quando vem de dentro pra fora. Quando foi sua intuição que ficou gritando dentro da sua cabeça enquanto você forçava o sapato de cristal a servir de qualquer jeito.
Tudo isso, é nossa tentativa de controlar as coisas. E na verdade, não controlamos nada.
Calçar o sapato de cristal não garante nada além de muita dor no pé.


quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

MULHERES QUE SOBRAM



Fazemos opções nossa vida inteira, desde a mais tenra idade. 
O que vestir, o que comer, o que estudar e onde, o que ser quando crescer, quem namorar, em quem acreditar, quando ir e quando parar, onde morar, transar com qual idade, quais amigos escolher, em que arriscar, casar ou não, ter filhos ou não, ficar com os pais ou morar sozinha, trabalhar numa empresa ou ter seu próprio negócio, quando dizer sim e quando dizer não, e por ai vai. 
Fazemos as escolhas baseadas nas nossas convicções (ou na pressão da sociedade), mas acreditamos estar fazendo as escolhas certas. Em família, cada irmão opta por determinados caminhos e lá na frente alguém sobra. Geralmente é aquela (e) que optou por ser solteira (o).
Como se fosse uma punição (o que não deveria ser) a (o) irmã (o) que escolheu ser solteira, não ter filhos, viajar, ser livre, fica com a responsabilidade de cuidar - sozinha - dos pais. 
"Sobra" para ela ou ele a responsabilidade que deveria ser de todos os filhos. Mas como se fosse natural, o discurso mais corrente é que você tem tempo livre, não tem filhos, pode ficar com eles, levá-los ao médico, atender qualquer pedido de socorro a qualquer hora e qualquer dia, sem contar que por não ter família você só pode ter mais dinheiro.
Perai... O solteiro também paga luz, água, telefone, também faz mercado, vai a feira, precisa cuidar da sua casa, lavar roupa, passar (argh), ir ao banco, e tudo isso sem ajuda de ninguém, sem dividir as tarefas. Porque teríamos mais tempo livre? Não seria o contrário?
Quando nossos irmãos jogam na nossa cara esses argumentos, usando de artifícios mesquinhos para nos culpar da nossa suposta ausência, não seriam eles os culpados de abandonar nossos pais?
Conheço uma dezenas de mulheres que ficaram com essa responsabilidade e se culpam.
Se culpam por se sentirem cansadas e irritadas com essa situação. Um conflito emocional muito grande por que querem fugir dessa obrigação, e ao mesmo tempo não se sentem capazes de negar ajuda aos pais. 
A questão é quem abandonou quem.
Se os pais cuidam de até 10 filhos, por que 10 filhos não podem cuidar de 2 pais?
O abandono dos idosos está cada vez pior e a desculpa dos jovens é de que a vida está muito corrida. Imaginem agora com esse novo panorama de que nós teremos que trabalhar até os 90 anos para se aposentar. E como será a relação de filhos com pais idosos que só terão aposentadoria tão tardiamente?
É muito desgastante física e emocionalmente você ficar responsável sozinho pelo bem estar dos seus pais. Ser cobrado pelos seus irmãos que se negam a contribuir por puro egoismo, essa é a verdade. E a contribuição não significa só dar dinheiro, mas dar atenção, fazer um carinho e estar presente.

domingo, 15 de janeiro de 2017

MULHERES (HOMENS) PRISIONEIROS



Você precisa e busca a aprovação dos seus pais...
Precisa e busca a aceitação da sociedade, do seu grupo, dos seus amigos...
Vive pela absolvição da sua religião e consequentemente do seu padre, pastor, mentor, pai de santo, guia espiritual...
Suas decisões dependem da oração, da vela, do cristal, do banho de ervas, das vozes, das cartas, dos búzios, da borra de café, da promessa, das superstições, do seu Karma, sua vida passada, dos seus pecados, do seu merecimento...
Modifica sua aparência corporal de acordo com a revista, a TV, a moda, o padrão, a modelo, a foto, o comentário do Facebook...
Seu sucesso é medido pela quantidade de bens que você arrebanha, pelo valor do seu salário, pela importância da sua profissão...
Os telejornais, a mídia, o rádio, as reportagens, os comentaristas direcionam suas opiniões e seus pensamentos...
Necessita dos livros e professores para que lhe digam sobre seu passado, sua história...
Sua auto estima está nas mãos do outro, de como você é amado...
A realização da vida esta vinculada a uma sequência de acontecimentos entre crescer, prosperar, casar, ter filhos, netos e morrer...

Poderia continuar a enumerar dezenas de itens dessa prisão que aceitamos viver, numa zona de conforto assustadora, incapazes de identificar nosso carcereiro. Como os personagens do Matrix e as centenas de cabos presos ao nosso corpo nos dizendo quem somos, como somos e porque somos. E assim vamos nos tornando seres autômatos.

O que cabe outros questionamentos:

Onde entra o discurso de que somos filhos de Deus, seres com alma e livre arbítrio?
Diante dessa prisão nós teríamos matado Deus?
O que de fato é nosso pensamento?

Liberte-se!
Pense!
Não é fácil, mas vale a pena tentar!



quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

MULHERES CIUMENTAS



Eis um tema novo para mim, mas como não falo sobre coisas pelas quais não me deparei pelo menos uma vez na vida, esta na hora de falar sobre essa mazela: o Ciúme.
Primeiro temos que admitir que não existe ciume bom ou saudável; ele sempre é ruim, Ruim para quem sente porque ele te escraviza, te tortura, te machuca, te destrói, as vezes mais e as vezes menos. Enquanto o outro, em geral, sequer nota sua dor... Sim porque dói pra cacete saber que o alvo do seu amor declara o mesmo amor que sente por você para outras. Isso diminui o seu valor, diminui sua importância, e você passa a ser apenas mais uma e não aquela mulher especial que o seu companheiro fez você acreditar. Mas peraí... Porque você precisa do aval do outro para se sentir especial?
Antes do ciúme temos portanto um outro problema. Como lidamos com o amor, como lidamos com aquela personalização do Facebook onde diz "Em um relacionamento sério".
Estar junto com alguém significa o que, afinal de contas?
Se o outro não se sente feliz apenas com você e precisa de outras pessoas, outras diversões, cabe a você aceitar, jogar o mesmo jogo ou sair fora... mas cobrar, marcar em cima, enlouquecer, isso não é uma opção. Primeiro porque ele vai te trair não importa o que você faça, se isso for da sua índole e não digo índole como falta de caráter, alguns homens simplesmente não conseguem abandonar o exercício da conquista, da sedução e tendo conquistado você, onde vai exercer isso senão com outras. Isso não é um comportamento apenas masculino, mas falarei sobre a traição feminina em outra situação.
Nos dias atuais o ciúme passou por uma grande transformação, sofreu um grande impacto advindo das novas formas de comunicação. Seu companheiro pode  responder uma mensagem no WhatsApp estando ao seu lado e você sequer vai perceber; ele pode receber fotos de todas os tipos e mandar para Nuvem; ele pode conversar por Skipe, por Telegram, Messenger e outros inúmeros aplicativos que tentar vigiar isso tudo é no mínimo um esforço enlouquecedor. Isso acaba transformando você ou numa pessoa chata ou numa pessoa infeliz. Sinceramente nenhuma das duas coisas é uma opção a se pensar. Além desses recursos, existem centenas de sites de relacionamento disponíveis para baixar nos celulares de graça. Sites só para sexo, só para traições, sites onde as mulheres se admitem casadas e alegam só querer sexo sem compromisso, ou seja, se você é ciumenta tá fudida. Para piorar, ainda mais, você é capaz de ver onde o outro está, que horas estava online, se esta conversando com alguém ou não... PUTA QUE PARIU...
Por isso eu digo não vale a pena! 
Imagine então se você pega alguma coisa... PUTA QUE PARIUUUUUUUUUUUU...
Não existe tortura maior que essa. A solução é trabalhar diariamente sua auto confiança independente do outro. Esquecer o amor, esquecer a relação e se voltar para você. É um trabalho árduo de rever sua forma de amar, de ver você na relação. E se fazer perguntas.
Primeiro: Você é dono do outro? Pode controlar a forma dele te amar? É capaz de medir o quanto ele te ama? A traição dele tem a ver com você? Seu amor é saudável?
Segundo: Você consegue lidar com isso? Você merece passar por isso? O quanto a dúvida é loucura da sua cabeça e o quanto é um fato real?
Terceiro: Você é dona de você mesma? Você tem poder sobre suas emoções? Tem outros interesses além desse relacionamento?
Quarto e mais importante: Se é ruim porque você simplesmente não sai fora?
Resumindo...
O ciúme é problema seu. Só seu!
É problema seu aceitar a traição, caso ela exista. É problema seu ficar. É problema seu criar monstros maiores do que sua capacidade de raciocinar. É problema seu sua carência afetiva que atribuiu ao outro a responsabilidade sobre sua felicidade. É problema seu não tomar posse da sua independência.
Portanto liberte-se!
Tenha em mente que isso é com você, e só com você. Controlar seu ciúme é o melhor para sua saúde mental, emocional e intelectual.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

MULHERES (E HOMENS) INTOLERANTES


É quase um senso comum que 2016 foi um ano estranho, para dizer o mínimo. Desemprego, desmandos e descasos políticos em níveis inacreditáveis, impeachment, falência das instituições, violência, mas o que mais me impressionou neste ano foi a intolerância. 
Somos (nós brasileiros) idiotas em repetir um jargão de que não somos preconceituosos, de que aqui todos os povos e religiões convivem harmoniosamente. BESTEIRA! Essa é uma mentira que tentamos manter para perpetuar nosso status de "legais". As redes sociais demonstraram o contrário este ano. As discussões políticas partidárias durante o impeachment da presidente Dilma nas redes sociais extrapolou o debate sobre "o certo e o errado" e virou um campo de ofensas, agressões, brigas de vários níveis. Rótulos foram dados dividindo um povo que de fato nunca foi unido. 
Além das questões políticas, que foram e são graves, os grupos homofóbicos, de feministas extremistas, de religiosos fanáticos, dos misóginos, contra isso e contra aquilo surgiram, minaram, brotaram em uma quantidade assustadora. Memes ofendendo as mulheres, xingando os homossexuais, detonando a religião alheia ou glorificando a sua, todos agressivos, humilhantes, absurdos. Mas que nós (brasileiros) achamos engraçados, afinal é tudo brincadeira.
Mas não é!
Comparar uma mulher a um porco na hora do abate quando se faz sexo anal, não é engraçado. É ofensivo ao cubo.
Encher o Facebook de "aleluias", "amém", "curta se você acredita em Jesus" é desrespeitar a religião dos outros e impor a sua num espaço laico por objetivo.
Publicar um meme onde se afirme que mulher que faz isso ou aquilo não é pra casar é de lascar.
Promover a discórdia, ofender quem não pensa como você, cortar relações... Que porra esta acontecendo? Viramos um bando de mimados? Perdemos a capacidade de convivência?
Ou sempre fomos assim?
Intolerantes, preconceituosos, temerosos, rancorosos, assustados, ignorantes, imbecis, arrogantes, prepotentes...
A coisa chegou num patamar que tudo que dizemos ou pensamos ofende alguém. 
Desculpem minha ingenuidade, mas eu pensei que as redes sociais tivessem surgido para reduzir as distancias e aproximar as pessoas, possibilitando um espaço de debate, onde eu conseguisse através disso entender as diferenças sociais e culturais que existem entre todos nós. Perceber que o time que você torce, o partido em que você vota, sua escolha sexual ou a fé que você professa não interfere na amizade que podemos travar superado essas diferenças. Porque as relações humanas são maiores que isso. Ou deveria ser.
Muito ao contrário, as redes sociais fez minar o lado perverso das pessoas, é como se todos passassem a se odiar ao descobrir pequenos detalhes sobre o outro. Tipo: "Eu sabia, fulano só podia ser gay, ou votar no PMDB, ou ser palmeirense, ou acreditar em Buda". Mas a questão é que ninguém é SÓ ISSO OU SÓ AQUILO. Se cada um de nós não praticarmos a humildade de enxergar o outro, isso só vai piorar. Gerando mais misoginia, mais radicalismo, mais homofobia, mais racismo, mais ódio, mais violência.
Precisamos buscar urgentemente refletir sobre tolerância!